Resolução e escalas de cores

Tendo visto a dificuldade de muitas pessoas ao enviar arquivos para impressão, vou explanar um pouco aqui sobre conceitos básicos do Design Gráfico. Talvez você já deva ter ouvido falar (ou até tenha algum conhecimento) em escalas de cores, RGB, CMYK, Pantone, ou em resolução de 72dpi, 300dpi, etc. Mas será que você realmente sabe o que significa tudo isso e como usar corretamente?

Muita gente quando vai criar um impresso simples, opta por usar Open Office ou outro software justamente por não dominar ferramentas como GIMP, Inkscape, Photoshop, Illustrator ou Corel. Então rapidamente vamos dar uma passada pelos conceitos básicos e aprender a fechar um arquivo para impressão. Dúvidas como: “Crio no GIMP ou no Inkscape?” e “Posso usar o Open Office?” são comuns.

A resolução do arquivo

Muito se fala sobre a resolução do arquivo, mas muita bobagem também. Uma imagem capturada na internet geralmente possui 72 DPI de resolução. DPI é a abreviação de Dots Per Inch, ou seja, Pontos Por Polegada. Esses pontos por polegada, são única e exclusivamente para impressos. Se você pegar uma lupa bem potente e colocar em uma página impressa, você verá que ela não joga um monte de tinta apenas, mas trata-se de uma retícula. Uma impressão é composta de pequenos pontos (como pixels) cada um de uma cor, sendo que nossos olhos enxergam apenas o conjunto e a imagem é montada em nosso cérebro. Uma imagem que possui 72 DPI quando impressa, quer dizer que a impressora irá jogar 72 pontinho impressos por cada polegada linear (isso mesmo, porquê você pode imprimir algo em 72/300dpi, ou seja, 72 pontos por polegada horizontal e 300 pontos por polegada vertical). Mas na maioria dos casos, quando falamos apenas “72 DPI” queremos dizer tanto na horizontal como na vertical.

Abaixo podemos ver uma imagem em boa qualidade no monitor. Mas se estiver em 72 DPI, e principalmente se aumentarmos o tamanho dela ainda, ela poderá aparentar como na imagem logo abaixo (uma simulação de grade de pontos foi feita):

Resolução e escalas de cores

penguin-lowResolução e escalas de cores

Já no monitor, a história é diferente. Uma imagem com 300 DPI e a mesma imagem com 72 DPI podem aparentar idênticas na tela de um monitor, afinal o monitor não trabalha com pontos por polegada, mas sim com pixels por polegada. A maioria dos softwares modernos fazem a conversão para você, então se você pegar uma imagem de 300 DPI e transformar em 72 DPI, o software irá diminuir o tamanho em pixels dela também, mas se você quiser, pode diminuir apenas as informações de DPI e manter as de pixels, e vice versa. Para criar um arquivo para web, nós trabalhamos apenas em pixels, então você deverá dizer quantos pixels uma imagem possui na horizontal e quantos pixels na vertical. Quando você cria uma imagem em 1024×768, nada mais está fazendo que criando uma imagem que possua 1024 pixels na horizontal e 768 pixels na vertical.

Se você abrir a imagem em um monitor que está configurado numa resolução menor (800×600 por exemplo), a imagem não caberá na tela se você visualizá-la 100%. Já se você abrir a mesma imagem em um monitor com resolução maior (1280×1024 por exemplo) a imagem aparentará menor. No entanto, quando maior a resolução do monitor, obviamente, mais nítida ela irá aparecer.

Cores

Muito se fala com relação a cores. A princípio é importante destacar que cor é um conceito muito relativo. As pessoas não enxergam as mesmas cores, de tal forma que um azul para mim pode não ser o mesmo azul para você. Além de o fato de a visão humana ser considerada o sentido que mais nos traz informações duvidosas (por incrível que pareça), a cor está sempre relativa à luz direcionada ao objeto. Um azul no meio de um monte de branco não é o mesmo azul captado se estivesse no meio de um monte de preto, ou de laranja. Uma luz branca traz todas as frequências de cor, de tal forma que quando incide sobre um objeto azul, por exemplo, o azul absorve todas as frequências de cor menos a azul, jogando-a de volta. Por esse motivo vemos o objeto azul (isso mesmo, um objeto azul na verdade é tudo menos azul). Nós enxergamos uma espécie de negativo.

Outro fator são as dificuldades de visão. Cerca de 20% dos homens brancos são daltônicos (não apenas homens brancos são daltônicos, mas eles são a maioria), e cada daltônico possui um tipo e grau de deficiência. Se uma pessoa do casal for daltônica e nascer um filho (homem), é 100% de chance de ele nascer com a deficiência, já se for mulher, o casal de pais tem de ser daltônico (necessariamente tanto o pai quanto a mãe), por isso é raro uma mulher daltônica, mas em homens é muito comum. Estas pessoas simplesmente enxergam menos cores, de tal forma que muitos designers criam artes lindas que daltônicos não conseguem sequer ler. Um bom exemplo foi aquela campanha que o Carrefour fez, que você recebia o código mágico e colocava na tela da TV na frente de uma bolinha azul para ver o prêmio. Daltônicos não conseguiam ver o código premiado. Analisando sob essa perspectiva, é importante ter pelo menos um designer daltônico da sua agência de publicidade.

Cor Luz vs Cor Pigmento

Aqui está a grande dificuldade em se imprimir um material que está na tela de seu computador. A tela do computador, a tela da TV e o seu celular tem algo em comum, todos eles reproduzem cor luz para você. Eles emitem luz colorida, em outras palavras. É o contrário, por exemplo, de uma parede pintada de verde, que não emite luz própria. A luz do ambiente incide sobre a parede e reflete (como já expliquei, o verde absorve todas as frequências e devolve só a da cor verde) até nossos olhos fazendo aparentar verde no nosso cérebro. Aí estão os 2 tipos principais de cores, sendo as da televisão as cores luz e as da parede as cores pigmento. Uma impressão é sempre uma cor pigmento.

As cores luz possuem uma escala própria (convenção mesmo) que é a RGB, abreviação para Red, Green, Blue, em outras palavras, Vermelho, Verde e Azul. Essa é a escala padrão utilizada por monitores, tvs e todo tipo de aparelho que emita cor luz. Quanto mais cor adicionamos à uma imagem, mais clara ela aparenta. Se você misturar 255 de Vermelho (a escala RGB traz cores de 0 até 255), 255 de Verde e 255 de Azul, você terá a cor branca.

Resolução e escalas de cores

Já com as cores pigmento é justamente o oposto, quando mais cor você coloca, mais opaco e escuro fica. Se você misturar todas as cores, terá algo próximo do preto. Imagine você com algumas canetinhas hidrográficas pintando um papel. Primeiro você pinta com uma cor, depois com outra em cima, depois outra, e assim vai. Que cor vai sair no final? Daí vem aquela velha história que já vi gente se matando na discussão: uns dizem que a união de todas as cores da o branco, e outros dizem que a união de todas as cores da o preto. Agora você sabe que isso depende! Se for na cor luz, é branco, se for cor pigmento, da preto (ou alguma coisa próxima).

No caso da cor luz (um monitor por exemplo), a ausência de cores resulta no preto (seria o monitor desligado). No caso de um papel, a ausência de cores (uma folha branca) resulta na cor branca.

Escalas de Cores

Entendido isso, vamos então entender melhor o que são as escalas de cores. Nós já vimos 1 delas, a RGB (Red, Green e Blue). Vamos conhecer agora a escala de cores padrão para trabalhos impressos, a CMYK.

CMYK é a abreviação para Cian, Magenta, Yellow e Key. Traduzindo: Ciano, Magenta, Amarelo e Chave… pera aí… Chave??? Na verdade, a escala é apenas CMY, sendo que o “K” seria o preto. O preto seria a cor chave, pois ela é impressa por último só mesmo para das os retoques e acertar a tonalidade das cores. Essas cores variam de 0 até 100 na escala, Se você enviar um arquivo para gráfica com C=0, M=0, Y=0 e K=100 você não terá preto! Você terá algo próximo do preto, um tipo de “preto sujo”. Para ter um bom preto, você precisa misturar o Black com outras cores, sendo que você pode ter um preto mais frio, um preto mais quente, e um preto total (100 de todas as cores) mas não faça isso! Se você jogar 100 de todas as cores, a propabilidade de o papel atolar na máquina no momento da impressão é muito grande, devido a uma saturação extrema de tinta no papel.

Resolução e escalas de cores

Agora da pra entender quando as pessoas falam que um impresso é 4×4 cores, ou seja, 4 cores na frente e 4 cores no verso. É a chamada quadricromia, pois a união das 4 cores (CMYK) produz todas as outras cores. Alguns designers trabalham em hexacromia ou até mais. Digamos que você produzirá um material impresso só de frutas. A reprodução de cores de frutas é meio fraca na escala CMYK e por conta disso, alguns designers mais exigentes adicionam mais cores à escala CMYK imprimindo em 6 ou 7 cores.

Agora vamos ver um outra escala de cores que você já conhece, a RYB, Red, Yellow e Blue. Você acha que não conhece essa escala? Se enganou, você aprendeu ela no pré primário ou talvez na primeira série. São as cores primárias, o Vermelho, Amarelo e Azul. Agora veja só que interessante, sua professora disse que somente com essas 3 cores você conseguia criar qual